A importância de poupar dinheiro para investir e ter uma boa saúde financeira

A importância de poupar dinheiro para investir e ter uma boa saúde financeira

O hábito de poupar dinheiro. Tão desacreditado e pouco utilizado pelos brasileiros, o ato de guardar dinheiro continua sendo muito importante para que você tenha uma vida financeira saudável para poder realizar investimentos ou mesmo desenvolver projetos futuros.

O ideal é que você economize dinheiro e também invista, pois assim aumentam as chances de você ter dinheiro e não sofrer com imprevistos ou mesmo emergências, além de ter a chance de colocar em prática coisas que você sonha para si e para a sua família. No entanto, ambos têm papéis diferentes em sua vida. Vamos explicar um pouco mais sobre isso a partir de agora.

Em primeiro lugar, poupar dinheiro está relacionado com o seu esforço em deixar de gastar dinheiro para fazer alguma reserva. Normalmente você economiza até chegar a uma quantia que permita você adquirir algo, como um carro, uma casa, uma viagem etc. ou mesmo para cobrir alguma despesa de última hora.

Já o investimento se refere a aplicar parte de seu salário para que ele aumente e traga maiores dividendos a você. Para alcançar este objetivo é necessário alocar os valores em ativos financeiros, como ações e títulos públicos ou privados.

Agora, para que você consiga começar a investir é necessário que desenvolva a capacidade de poupar dinheiro. Tendo esse hábito, você sairá do aperto financeiro e poderá alçar voos maiores em busca de uma saúde financeira mais satisfatória, que oportunize uma vida também mais plena.

Por que eu devo poupar dinheiro?

Bem, há vários motivos que demonstram a você a importância de poupar dinheiro e o quão isso poderá ser benéfico para sua vida. Algumas coisas já foram mencionadas neste artigo, mas a partir de agora aprofundaremos alguns aspectos e detalhes:

Alívio em momentos de recessão: em situações de crise econômica, como agora, ter uma poupança traz tranquilidade para você enfrentar os desafios impostos. Isso porque, obter empréstimos em períodos recessivos é mais difícil.

Proteção a imprevistos: quando você elabora planos e mesmo no desenvolvimento de novos hábitos financeiros como poupar, é vital levar em conta imprevistos que possam ameaçar seus objetivos. Acidentes, desemprego, problema de saúde, e muitos outros contratempos podem surgir à sua frente e, com uma reserva guardada, você não desequilibrará suas contas.

Mais pagamentos à vista: com dinheiro guardado você poderá adquirir produtos à vista, o que normalmente irá diminuir os valores, além de outras vantagens. Por outro lado, sem uma reserva, você poderá ter que fazer parcelamentos, o que implica em pagamentos de juros, multas e demais encargos que encarecerão seu orçamento.

Fonte de investimentos: como já mencionamos, ter uma poupança bem fundamentada propicia que você, caso queira, comece a saber mais informações sobre o mercado financeiro e passe a fazer investimentos, que farão o seu dinheiro crescer, produzindo uma segunda fonte de renda. Isso propiciará que você alcance, mais rapidamente, um crescimento financeiro, pessoal e profissional.

Liberdade profissional: com o passar do tempo, uma poupança recheada e com investimentos proporcionando rendimentos positivos, você poderá rever aspectos profissionais que lhe trazem insatisfação. Você poderá recusar algum projeto, trabalho ou até mesmo trocar de emprego, buscando tarefas mais prazerosas. Você poderá ainda optar por trabalhar menos para se dedicar mais à família, hobbies etc.

 

Aposentadoria mais tranquila: você poderá se dedicar em guardar dinheiro para ter uma aposentadoria mais sossegada, sem precisar depender do pagamento formal pelo governo, ainda mais em tempos de incerteza quanto a Reforma da Previdência. É um caminho possível juntar dinheiro que proporcione dividendos elevados durante o período de aposentadoria.

 

Como fazer para economizar dinheiro?

Além de você modificar hábitos financeiros em sua vida, para conseguir economizar dinheiro é preciso estabelecer metas e segui-las à risca. Tudo depende de uma enorme disciplina que você deverá ter, olhando sempre para os objetivos que você quer alcançar, afinal de contas, não é fácil ter que cortar gastos e definir que tipo de consumo é mais necessário ou importante para você e seus familiares.

Por isso, você deverá guardar, mensalmente, uma porcentagem determinada de sua renda, resultando em um valor maior em um determinado período de tempo. Por exemplo: você estabeleceu que em um ano irá guardar 5 mil reais e, para isso, estipulou guardar todo mês 5% de toda a renda familiar.

O ideal é que você comece por uma porcentagem modesta e se comprometa por um período (falaremos disso mais abaixo). Ao perceber que você consegue cumprir uma etapa, se sentirá mais confiante em guardar mais. Além disso, poderá desenvolver uma visão ainda melhor do que pode cortar para poder aumentar a porcentagem pouco a pouco.

Ou seja, com o passar do tempo e os avanços, mesmo que pequenos, você acabará se reeducando financeiramente, se sentindo bem ao perceber como o ato de poupar dinheiro em busca de uma meta desejada pode ser bastante positivo também do ponto de vista pessoal, e não apenas econômico.

Agora, para que isso aconteça de uma maneira adequada e bem organizada você deverá ir além de uma decisão de guardar uma porcentagem de seu salário. É importante que você faça um planejamento financeiro, estipulando metas de curto (até um ano e meio), médio (até quatro anos) e longo prazo (após quatro anos).

Com esses objetivos traçados você conseguirá mensurar melhor seu comportamento perante as despesas (e como contê-las), entenderá também os tipos de gastos e como você deverá agir para juntar os valores pretendidos e, por conseguinte, alcançar as metas desejadas.

Fique de olho nos gastos

Outro aspecto importante de se desenvolver uma saúde financeira satisfatória por meio da poupança é controlar os gastos, observando que tipo de despesa é importante para você e sua família. Isso porque, você não deverá se privar do que considera mais essencial.

O jeito é ter o hábito de criar uma planilha (seja no papel ou no computador) e anotar todos os gastos mensais. Mas não adianta preencher e deixar de lado. Você deverá atualizar a planilha de forma contínua, para que mantenha o controle da situação e saiba onde poderá economizar. Você poderá dividir em categorias, como casa, supermercado, lazer, despesas diversas etc.

Tendo esse verdadeiro mapa em mãos você poderá estipular porcentagens de sua renda para cada categoria, limitando os gastos de cada uma delas. É importante que você reflita a respeito do quanto você ganha e do quanto gasta para poder ser rígido na manutenção das escolhas.

Veja se as despesas podem ser substituídas por outros produtos ou mesmo serviços que tenham um preço menor. Há casos em que algo pode ser supérfluo e você pode simplesmente cortar dos gastos mensais. Analise também que investimentos podem ser feitos para abater custos mais à frente.

Quanto eu devo economizar por mês?

Essa resposta não é tão simples e vai depender do quanto é sua renda familiar mensal e das metas e planos elaborados por você antes de iniciar esse processo. Não adianta chutar um valor muito alto que você não consiga realizar. Mas também pouco adiantará se a quantia for muito baixa, pois os resultados não serão satisfatórios e haverá pouco dinheiro para investimentos e outros projetos.

Especialistas recomendam que você poupe pelo menos 10% do seu salário mensal. Porém, é possível traças metas curtas, até que a sua mente se acostume com a poupança. Por exemplo, nos três primeiros meses você pode economizar 1% de sua receita total. A partir do quarto mês, mais afeito a esse sistema de cortes de gastos e foco em projetos maiores, você pode aumentar para 5%. Após seis meses, ou quando você se sentir seguro, o valor poupado poderá saltar para 10%, 15%, até onde seu orçamento conseguir.

O importante é que você defina um percentual confortável e que possibilite que uma vida satisfatória e que, ao mesmo tempo, permita um futuro mais equilibrado e tranquilo financeiramente. Você deve sempre levar em conta os objetivos traçados, os gastos existentes, sua renda mensal e sua disposição em abrir mão de algumas coisas para alcançar outras mais à frente.

E você, já tentou poupar dinheiro e não conseguiu? Quanto já conseguiu poupar? Quer começar agora? Conte sua experiência para a gente nos comentários!

 

 

Leia também O que é Tesouro Direto e como investir