Conheça como funciona o investimento em leilão de imóveis

Tempo de leitura: 7 minutos

Conheça como funciona o investimento em leilão de imóveis

Uma boa maneira de ganhar dinheiro investindo é por meio da aquisição de imóveis. Nesta modalidade você poderá aplicar seu dinheiro e ainda conseguir um lucro em cima dele, seja vendendo o imóvel por um valor superior ao investido ou mesmo com uma rentabilidade mensal proporcionada pelo aluguel da casa, apartamento ou outros tipos de imóveis.

Um jeito de conseguir imóveis por um preço mais baixo, aumentando as possibilidades de rendimentos maiores é através do leilão. O sistema de lances e arremates propicia a compra com valores por vezes bastante inferiores aos praticados no mercado, o que propicia uma economia interessante para o investidor.

Porém, é preciso cuidado, afinal, apesar de surgir muitos interessados nessa modalidade de investimento, há muitas informações que precisam ficar claras antes de você sair por aí dando lances em busca de um apartamento barato, por exemplo. Se cercar de todos os detalhes que envolvem esse tipo de operação potencializa suas chances de ser bem-sucedido nesse mercado. Confira a seguir algumas dicas que você deverá levar em conta antes de investir em imóveis de leilão.

  1. Pesquise sobre o leilão e considere imóveis vazios ou terrenos

O primeiro passo para você conseguir lograr êxito no leilão de imóveis é procurando uma empresa de confiança. Isso porque há leilões que não são realizados por órgãos governamentais – mas essas outras instituições são reconhecidas legalmente. Nesses casos, vale dar uma boa checada na procedência da empresa e a validade da disputa.

Pesquise também a existência dos imóveis e se eles estão de fato aptos para serem leiloados (veja mais no item 3). Certifique-se que o leiloeiro já realizou outros eventos e levante informações, seja no site da empresa ou por outras ferramentas de pesquisa, em busca da reputação dos responsáveis por aquele leilão.

O ideal é você arrematar imóveis desocupados ou mesmo terrenos. Sabe por quê? Pois se tiver um morador no local que você adquirir, precisará entrar na Justiça para pedir a desocupação e esse processo poderá levar um bom tempo, além de provocar custos extras e dar muita dor de cabeça. Se você quer um imóvel para morar, prefira arrematar um desocupado. Agora, se a ideia é investir, dê preferência aos terrenos e lotes que proporcionarão uma venda mais rápida e sem contratempos.

  1. Não deixe de visitar o imóvel antes de arrematá-lo

Outra dica importante é: visite o imóvel antes de dar um lance. É possível que o imóvel que você tenha demonstrado interesse se situe em uma região que não atenda às suas necessidades e anseios ou mesmo pode apresentar danos em sua estrutura.

Considere chamar um profissional para analisar as instalações elétricas e hidráulicas do local, afim de evitar transtornos ou surpresas após fechar o negócio. Caso haja danos comprovados, avalie se o valor a ser gasto no conserto não superará o desconto no preço total do imóvel. Muitas vezes não compensa.

Se você tem interesse em adquirir uma casa, por exemplo, para se mudar rapidamente e percebe que ela precisará de uma longa reforma, descarte. O mesmo vale se sua ideia é investir em um imóvel com estrutura comprometida. Não o arremate se tem objetivo de morar nele, prefira encará-lo como uma forma de investimento caso o terreno tenha uma boa localização.

Mas fique atento com a possibilidade para o caso de haver um morador no imóvel e ele não permitir a sua visita. Ele tem esse direito. Caso você esteja buscando o imóvel como investimento o problema é menor, bastando que todas as especificações de problemas do imóvel estejam no edital. O impacto no lucro tende a ser menor. Agora, se o projeto é morar nele, poderão aparecer problemas que vão trazer surpresas desagradáveis para a pessoa. No caso de um apartamento, obtenha informações com o porteiro ou o síndico do prédio. Enfim, se cerque do máximo de dados que puder.

  1. Veja se o imóvel não tem pendências judiciais

Encontrou um imóvel interessante e as condições internas dele parecem boas? Então pesquise sobre ele. Procure se não há liminares de ações judiciais contra a ação de desocupação desse imóvel, bem como dos antigos moradores contra bancos ou financiadoras que pediram o retorno do imóvel para seu controle e o estão agora vendendo.

Uma sugestão é consultar o fórum de sua cidade, bem como o cartório de registro de imóveis, para saber se há ações contra a execução dele. Veja se o imóvel possui as certidões que comprovam o pagamento de possíveis dívidas judiciais ou de crédito, evitando, assim, que alguma pendência recaia sobre você após a compra.

Outra dica vital: verifique se o devedor foi intimado por um juiz. Caso a resposta seja negativa, o leilão poderá ser anulado. Vale também questionar o morador se ele pretende resistir ao despejo.

É importante também você ler o edital de cabo a rabo e ter certeza de que não há nenhuma informação faltante ali, nem que fique nenhuma dúvida, sob risco de você ter dor de cabeça após arrematar o imóvel. O edital deve ser claro, ter a data do leilão, o estado de conservação do imóvel e a forma de pagamento, bem como todos os custos, taxas e impostos incluídos.

  1. Cuidado com as suas finanças!

Algo a ser considerado no investimento em leilões é a necessidade de o pagamento dever ser feito à vista em alguns casos. Para tanto, considere bem o valor que poderá investir nesse tipo de negócio, estipulando um teto máximo e evitando de todas as formas superá-lo. Quem desejar morar no imóvel ou usá-lo para alugar, em alguns casos é possível obter um financiamento com o banco.

E lembre-se que há outros gastos embutidos, como aqueles que envolvem a escritura e a regulamentação do imóvel, em especial o pagamento do ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis). No edital deverá ser informado também o percentual do valor do negócio a ficar com o leiloeiro. Além disso, é possível existir custos relativos à reforma ou mesmo a alguma melhoria que deseje fazer. Além disso,

Enfim, é preciso estudar bem esse aspecto e considerar todos os gastos que envolvem a compra de um imóvel em um leilão para não prejudicar seu orçamento. Com isso garantido, a chance de você obter um bom negócio é ótima! E aí, partimos para um último recado, muito importante.

  1. Registre o imóvel o quanto antes

Se você detectou um bom imóvel ou terreno, deu seu lance e saiu vitorioso, arrematando-o, faça o registro dele o mais rápido possível. Isso porque, é normal em alguns casos os imóveis leiloados trazerem outros processos de penhora, fazendo com que seja possível que façam partes de outros leilões. Então, para evitar que você adquira um imóvel que esteja sendo arrematado em outro lugar, comunique o quanto antes o cartório que você fará o registro do arremate do imóvel na matrícula do mesmo.

Caso surja alguma dúvida nesse processo, consulte um advogado que seja especialista no mercado de imóveis. Certamente ele poderá fornecer informações preciosas que facilitarão a finalização do processo de leilão e evitar transtornos para você.

Há também a opção de você se especializar no mercado de leilões, estudando e fazendo cursos na área, fazendo com que suas dúvidas diminuam, pois você estará capacitado para fazer o melhor negócio. Existem muitas pessoas que investem tempo e dinheiro em angariar conhecimentos para poder se especializar nesse tipo de investimento e poder lucrar bons valores com a compra e venda de imóveis, adquirindo-os por meio dos leilões.

Gostou dessa dica? Quer contar sua experiência neste mercado ou sugerir algo que tenha faltado? Deixe seu comentário abaixo e vamos conversar mais a respeito do investimento em leilão de imóveis.